FacebookTwitterGoogle+Linkedin
Biscoito da Sorte
Aceita um biscoito da sorte? É só clicar e descobrir a surpresa que tem dentro dele pra você!
X
Numa caravela esbelta
Na praça de celta
Chegou Portugal

Lusitanos gritando em couro
Nóis queremo ouro
Mas que povo mau
(Trecho da letra de música didática "A expansão ultramarina portuguesa")
Clicando aqui, você lê a letra completa
X
"Eu, simplesmente, não sei".

É com esta afirmação, categórica e displicente, que dou jeito em muitas dúvidas.

Poucos por ela têm simpatia, pois muito se quer responder quando, de fato, nada se sabe e mais bonito e responsável seria ter a humildade de dizer "não sei".

Eu adoro dizer que não sei. Não sei quais são os mistérios da vida, não sei para onde vou quando os meus olhos definitivamente se fecharem, não sei por que estou aqui.

E isto me faz livre. Livre da escravidão das certezas e da mentira para si próprio que muitos nutrem para calar o medo do desconhecido.

Nesta manhã, por exemplo, eu não sei por quê, assim que acordei, havia uma borboleta azul no meu quarto. Eu poderia, caso quisesse, apressar-me em encontrar uma resposta para tal excentricidade. Qualquer bobagem facilmente tragável que fizessem os meus olhos pararem de arder e lacrimejar por serem alvejados e ofuscados por tão frágil e inocente beleza, tão pura e tão terna.Clicando aqui, você assiste ao vídeo com animação digital
X
Passeio no jardim do Trianon
Floreio o que há em mim, sine qua non
No Centro Cultural Rua Vergueiro
Cinema e sarau pro dia inteiro.

Melhor gastronomia se degusta
É tanta pizzaria, Rua Augusta
Faz um cuscuz para que o tacho eu raspe
No meio da Paulista eu acho o MASP.

Jogo de futebol, Pacaembu
Vamos tomar um sol na zona sul
Correndo lá no Ibirapuera
Um kart em Interlagos acelera.Clicando aqui, você lê a letra completa
X
Se não fosse por causa do seu Ayrton, ambos os juristas estariam, neste momento, confinados em seus escritórios, e não teriam se locomovido com seus veículos automotores, consumindo gasolina, pneus e freios, nem teriam pago a caixinha do frentista que limpou o para-brisas, nem dado mais uma contribuiçãozinha pro comércio de bens de consumo alimentício da região central do município, nem mandado o estagiário tirar fotocópia dos autos, etc.

Isto só pra falar do consumo direto porque o frentista do posto de combustível usou o dinheiro da gorjeta pra comprar leite pro filho, o dono do posto aumentou o faturamento e trocou de aparelho de TV, o estoque de pó de café da padaria acabou antes do tempo e o fornecedor vendeu mais – estendo o benefício ao setor primário, que elevou o plantio – os pneus do carro foram substituídos com antecedência, a lan house, que produziu as fotocópias, por consequência, demandou mais papel e toner e até contratou mais um funcionário, ...

E o vil metal foi passando de mão em mão, chegando a um vadio operador de home broker, que só fica em casa fazendo análise gráfica e especulando na bolsa de valores, comprando e vendendo ações de empresas de terceira linha, que ele chama de papéis, mas que não são mais papéis, são só impulsos eletrônicos.Clicando aqui, você lê o texto completo
X
– E que tríade vem a ser essa, meu poeta?

– As coxas de outras moças, o ronco noctâmbulo e a flatulência.

– E o momento único do encanto da poesia?

– Ele existe, mas não é cerceado pelos disparos advindos dos corpos que se entrelaçam, desejando-se e consumando-se. O exercício das ações genuínas não é abjeto.
(Trecho do texto "O limiar da compreensão que veio com o hálito")
Clicando aqui, você assiste ao vídeo
X
Não havia vento nem mar
Pra ela mergulhar
Menina olhava ao redor
Estava pior.

O cheiro era forte, de mangue
Sem coisas mais belas
Renata olhava o sangue
Em suas canelas.

Por que você foi se cortar?
Santa inquisição
As esferas do seu colar
Rolando no chão.Clicando aqui, você lê a poesia completa