FacebookTwitterGoogle+Linkedin
Biscoito da Sorte
Aceita um biscoito da sorte? É só clicar e descobrir a surpresa que tem dentro dele pra você!
X
A folia daquela terça-feira não foi tão engraçada assim. As trocas de gentilezas entre o menino e Pablo acabaram por amargar os espíritos puros de ambos os anjinhos. Rancores foram guardados e culminaram num incidente de gosto duvidoso. O menino, investido em seu papel de alienígena, saltitava sobre as crateras enquanto era perseguido pelos oito astronautas. Enraivecido, Pablo tomou a dianteira e agarrou o extraterrestre pelo calcanhar.

Desprovido de seus pés para tocar o solo, o menino teve de usar a cavidade bucal para aterrissar no chão duro. Um pedaço de cano enferrujado, que para os imaculados meninos era um revólver de raio laser, quando nas mãos do miúdo garoto, foi útil para retaliar o tombo, ao unir-se à testa indígena de maneira rápida e ruidosa, devido ao intenso deslocamento de ar. Colapsado, Pablo foi recolhido na unidade de pronto atendimento do liceu e, meia hora depois, retirado de ambulância. E só retornou à sala de aula no semestre subsequente.Clicando aqui, você lê o conto completo
X
As semanas que se sucederam escorreram como areia entre os dedos. Recobrada sua conduta socialmente aceitável, rapidamente, o dia da bizarrice foi completamente esquecido pelos executivos. A repetição de suas maneiras normais, salvaguardou o apreço que mantinham por ele.

Novos projetos de trabalho vieram ao escritório. Conhecedor que agora era de seu íntimo, quis ir além de seus atributos como líder do departamento de propaganda. Empolgado, recebeu autorização para realizar tarefas de campo, desviando-se de sua função.

Chamou a atenção da revista Piacgazdaság o crescente turismo de Budapeste. Uma onda excursionista, principalmente oriunda da Sérvia, da Romênia e de outros países convizinhos do leste europeu, tomou conta da Hungria. Uma reportagem acerca deste fenômeno mercadológico seria publicada e ele, investido na fase atual de sua carreira, assumiu a dianteira, e foi entrevistar o presidente da empresa promotora de eventos responsável pela ascensão deste nicho.Clicando aqui, você lê o conto completo
X
Comecei a pensar que havia escolhido o dia errado para caminhar pelo Ibirapuera, famoso parque de São Paulo. De uma manhã fria de junho o que mais poderia eu esperar?

Acordei naquele fim de madrugada para terminar de redigir um texto para uma revista. Como de costume, assei cinco pães de queijo e misturei algumas gotas de café ao leite quente. Levei a cadeira ao jardim e, enquanto o tomava, olhei para o céu e procurei a lua. Não a encontrei...

Em meio ao silêncio, pude ouvir, na sala, a impressora trabalhando. Estava imprimindo a obra que me fora enviada por e-mail.

Ao perceber que o ruído cessou, interrompi o desjejum e a inútil busca pela musa dos poetas no espaço para pegar a resma. Retornei ao relento munido de cerca de seis dezenas de sulfite. Bebi o último gole de leite quente sem tirar os olhos do título do primeiro poema: "Poesía de noche sin luna".

Deixei para pensar na suposta coincidência quando cheguei ao parque. Sou um homem que gosta de encantar-se com os mistérios da vida e, naquela ocasião, o que mais me agradou foi a sintonia. Gosto de sinais e o universo costuma ser meu "amigo invisível".Clicando aqui, você lê o texto completo
X
Com a doce umidade do ar que respiro
Como fosse a cidade brotar desse lírio
Eis que surgem abelhas voando nas flores
Tal que fulgem vermelhas, trocando as cores.

Em segundo, o despontar da primeira folha
Vem pro mundo estourar da champanhe a rolha
Comemora, em terceiro, o crescer fina Flor
É Senhora em canteiro e crê ser sina a dor.
(Trecho de uma das Obras de Marcelo Garbine que lhe garantiram uma vaga no Nucleo de Letras y Artes de Buenos Aires - Argentina)
Clicando aqui, você assiste ao filme do evento
X
"Apesar disto, resta-nos o advento da trajetória adulta. Finalmente, a maturidade! Agora, sim, é chegado o instante de acelerar em direção à linha do horizonte e competir com chances iguais com todos os outros para realizarmos os nossos sonhos mais lindos!". Seria esta a minha fala se a citação anterior suportasse uma pronúncia com uma categoria de verossimilhança um pouco mais alta, caso não fosse encargo sine qua non e urgente meter-se em busca do preenchimento das lacunas didáticas remanescidas da fase primária da jornada do rebento que não foram supridas – nem sequer em seus alicerces básicos – pelos responsáveis naturais no momento oportuno. Nada obstante, são apenas alguns milhões de quilômetros de diferença que se pode suplantar em algum tempo e, um dia, chegar lá. Bastam algumas décadas e pimba! É só correr pro abraço!

Antes tarde do que nunca. Eu li num livro de autoajuda que um cara foi iniciar a faculdade de medicina aos oitenta e quatro anos de idade. Se ele pode, você também pode. Foi o que o autor da obra disse. E ele é PHD, viu?

E para quem não é do tipo apetecido pela erudição, fica a dica de um menu espiritual com opções fresquinhas que podem ser uma excelente pedida. "Tá daqui, ó!". Tem igreja pentecostal, terreiro de macumba, centro mesa branca, templo Hare Krishina e muito mais! Pra todos os gostos e bolsos. É só escolher e pedir.Clicando aqui, você lê o texto completo
X
Minha ansiedade foi, finalmente, satisfeita. Numa cadeira de rodas disposta num canto escuro da sala, estava o homem que, segundo a matéria do jornal, havia conversado pessoalmente com a princesa Isabel.

Eu esperava vê-lo tomando um solzinho naquele dia em que não havia nenhuma nuvem num maravilhoso céu azul de maio, mas a minha empolgação era imensa e não dei muito valor à circunstância inusitada.

Começamos o diálogo com a arca de vivência em carne e osso.

Meu amigo, a namorada dele e eu cumprimentamos o idoso.

Mais do que depressa, eu me adiantei e fui perguntando:

– O que o senhor tem pra ensinar pra gente?

Olhando para o chão, o homem mais velho do mundo respondeu...Clicando aqui, você lê o texto completo